• marluce lima

Liniker e os Caramelows

|resenha do show em Dublin - 2018


por Miren Maialen

 “peloamor! algum amigo ai compra pra mim e eu dou a grana em mãos? estou sem dinheiro no cartão e está esgotandoo ..”


31 de maio, foi a data deste post na página do evento no Facebook. Eu arrisquei não perder essa e quem sabe nesta pequena ilha mágica de Dublin alguma alma amiga ouviria… E ouviu: o querido amigo e artista Hugo que chega três meses depois no The Sugar Club, com nossos ingressos em mãos e ansioso pelo momento tanto quanto eu.

Sentamos de frente ao palco, quase tocando os pés da divindade vestida de saia longa preta e branca e olhar transparente, porém não é possivel permanecer sentado, a música nos levanta.

Liniker tem a força da palavra sem a necessidade do artigo. Bagunça a linguagem ordinária e o raciocínio, sem fugir da verdade intrínseca em cada indivíduo.

Liniker canta sobre o quanto uma malinha de mão pesa, a voz quebra barreiras e naturalmente descarregamos pesos inúteis.

Traz a simplicidade na poesia das letras e a honestidade de todas as emoções vividas em cada palavra, uma poesia que não só cura mas que também anestesia qualquer momento. Ela exalta a essência tão peculiarmente similar de todos os demais. Ela atende a todos os públicos sem distinções, pois não nos vê distintos.


“A gente fica mordido, não fica? Dente, lábio, teu jeito de olhar Me lembro do beijo em teu pescoço Do meu toque grosso, com medo de te transpassar”


E eu transpassava em meio à exalação da paixão que o casal na minha frente expunha, qual assistiam o show abraçadxs, aos beijos e com suas grossas mãos tocando-se uma à outra, e eu sorria pelo fato de poder curtir uma música que não limita gênero, palavra, pensamento, aparência, vestimenta ou corpo, pois nossos corpos não condizem com o que somos de fato. Somos o que somos, se é o que é, o que deu foi e o que me foi, foi você e eu.

Liniker dá show de respeito pela voz de cada um, o momento certo de falar, a paciência, o tempo, a habilidade de escutar. Mostrou que a gente se bagunça primeiro pra encontrar o equilibrio depois.

Ela possui a força de uma autenticidade rara e genuína, sem forçar opiniões e distribuir títulos e também uma humildade admirável que sem dúvida alguma faz ela e todos da banda permenecerem juntos na caminhada independente com respeito e força.

Obrigada pela noite, Liniker e os Caramelows. Um cheiro.



#linikereoscaramelows #thesugar #liniker #brasileirosemdublin #resenha

0 views
  • Branca Ícone do Flickr
  • Ícone do Facebook Branco
  • Ícone do Twitter Branco
  • Ícone do Instagram Branco
  • Ícone do Youtube Branco

made with love & poetry