• marluce lima

Sua



Minha. Ele falou. Você é Minha.

Ele não viu meu rosto, nem sentiu a ardência da minha espinha.

Como se fosse a sensação de paixão nova

Você sabe, paixões nos pegam desprevenidas

Invade sem culpa as entranhas distraídas

Um enxame de medo, de tesão, de curiosidade...

aquele enxame de incertezas

Minha e de mais ninguém

(E o mundo é tão vasto).

Ahh, mas que mulher não gozaria pelos ouvidos

Quando palavra dessa se deita no peito

Quando a possessão é recíproca.

Sim, sua. Sua.

Como se eu fosse as partes da sua bicicleta,

o pêlo que nasce na pele do teu pescoço insistentemente,

o suor que é seu quando seu corpo expele lágrimas

Como se eu fosse um poro no teu rosto,

uma sardinha tua,

um fio do teu cabelo,

seu tempo, sua.

Sua saliva, seu paladar, seu tronco, sua força, sua vida

como se fosse eu seu mundo

como se fôssemos nada - e fôssemos tudo.


Você disse 'você é minha’ e não sei se foi uma afirmação ou uma pergunta

você não viu meu sorriso no rosto,

não viu as borboletas,

nem mesmo viu meu gozo

mas eu respondo

eu respondo agora, sim.

Sou sua.




o poema foi recitado no Sarau Maré, vem ver:


#saraumare #marlucelima #poesia

29 views4 comments
  • Branca Ícone do Flickr
  • Ícone do Facebook Branco
  • Ícone do Twitter Branco
  • Ícone do Instagram Branco
  • Ícone do Youtube Branco

made with love & poetry