• marluce lima

21 de dezembro em Porto

Updated: Apr 6, 2019

de uma página do diário



Nós não vemos o crime do mesmo porto. Foi um crime grave, hoje, eu ser jogada propositalmente em um dos meus cantos favoritos do mundo e eu estar demasiadamente contente por estar em uma cama de hotel esticando as pernas. Essas, que já há um tempo se perderam pelos seus becos e graffitis, essas que tropeçaram em cascalhos e paralelepípedos.

Eu me apaixonei por você em dois mil e dezesseis e nunca mais voltei pra beijar teus montes. Que tipo de amor é esse, que deseja você e também o mundo?

Hoje não te quero de fato, foi algo que me trouxe, foi a ponte aérea de Lisboa, foram as nuvens carregadas , foram todas aquelas pessoas, um avião pequeno, foi a pressa de passar por você, foi o euro, foram os passaportes, os tickets, foi o tempo, foi minha menstruação, foi a minha opção. Eu trocaria teus becos encantados, teu cheiro de Bossa, tua francesinha, teu sotaque, tuas cores, teus azulejos, as igrejas, teu sumo dos deuses, eu trocaria todos os teus sítios por esta cama, por esta toalha felpuda, por esta água quente pelas minhas pernas, pela minha coluna.

Deve ter sido em dois mil e dezesseis quando tudo começou a acabar. Eu não subiria tuas inclinações, e todas as tuas curvas sem desejar que eu não tivesse partido. Transformei-me em uma colina. O tempo foi me cobrindo de areia, o vento esfrega em mim com força. Tudo dentro de mim rasga, corta, perfura. Mas sou tão rígida como uma montanha. Tão estática. Um mar petrificado.

E nesta noite, serei apenas areia esparramada em uma cama de hotel no Porto.


#porto #portugal #marlucelima

1 view
  • Branca Ícone do Flickr
  • Ícone do Facebook Branco
  • Ícone do Twitter Branco
  • Ícone do Instagram Branco
  • Ícone do Youtube Branco

made with love & poetry